Início Coluna Diagnósticos tardios: Entenda transtornos descobertos na fase adulta

Diagnósticos tardios: Entenda transtornos descobertos na fase adulta

De acordo com o psiquiatra Dr. Flavio Nascimento, casos como Cleo Pires e Boca Rosa podem estar relacionados a hábitos da vida moderna

por Redação CPAH

Por Dr. Flávio H. Nascimento

Transtornos como ansiedade, TDAH e Borderline podem impactar bastante a qualidade de vida de um indivíduo, sintomas como desânimo persistente, medo excessivo, alterações de humor e dificuldade em tomar decisões afetam o bem-estar emocional e social. 

O diagnóstico tardio, especialmente na idade adulta, tem sido cada vez mais comum, ocorrendo com famosas como Cleo Pires e Boca Rosa, que foram diagnosticadas com TDAH, mas pode ser desafiador, pois muitas vezes os sintomas são confundidos com estresse ou outras condições.

Por que os diagnósticos tardios têm aumentado?

O aumento dos diagnósticos tardios de transtornos pode estar relacionado a hábitos da vida moderna ou à dificuldade de diferenciar seus sintomas de outras condições, afirma o psiquiatra Dr. Flávio H. Nascimento.

Alguns hábitos de vida do paciente podem ter relação direta com as condições, como o uso excessivo de redes sociais, celular, tv, etc., contribuindo para disfunção do córtex pré-frontal, região comprometida no TDAH, na depressão, ansiedade, por exemplo, o que pode levar a diagnósticos equivocados ou incompletos, comorbidades podem ocorrer nestas condições”.

Por isso, é essencial que o processo de diagnóstico seja individualizado para entender bem a cognição do paciente, buscar se houve estratégias durante a vida que mascararam os sintomas de doença na infância e adolescência, seus hábitos de vida, histórico familiar e assim direcionar melhor o tratamento ” Explica Dr. Flávio H. Nascimento.

Sobre Dr. Flávio H. Nascimento

Dr. Flávio Henrique é formado em medicina pela UFCG, com residência médica em psiquiatria pela UFPI e mais de 10 anos de experiência na área de psiquiatria. Diagnosticado com superdotação, tem 131 pontos de QI o que equivale a 98 de percentil e é membro do CPAH – Centro de Pesquisa e Análises Heráclito como pesquisador auxiliar.

Alguns destaques

Deixe um comentário

3 × um =

Translate »