Início ColunaBem Estar Adoçante ou mel para evitar diabetes: Uma perspectiva neurocientífica e genômica

Adoçante ou mel para evitar diabetes: Uma perspectiva neurocientífica e genômica

por Dr. Fabiano de Abreu Agrela Rodrigues

A prevalência global de diabetes tipo 2 vem crescendo exponencialmente nas últimas décadas, tornando-se um problema de saúde pública de proporções epidêmicas. A busca por alternativas mais saudáveis ao açúcar tradicional, como adoçantes e mel, é frequente entre pessoas que desejam reduzir o risco de desenvolver a doença.

Neurociência do paladar e recompensa

Do ponto de vista neurocientífico, o paladar é um sentido complexo que interage com o sistema de recompensa do cérebro. O consumo de açúcar ativa áreas cerebrais relacionadas ao prazer, liberando dopamina, um neurotransmissor associado à sensação de recompensa. Essa resposta hedônica contribui para o desejo por alimentos doces, podendo levar ao consumo excessivo e, consequentemente, ao aumento do risco de diabetes.

Adoçantes e o sistema de recompensa

Os adoçantes artificiais são substâncias que imitam o sabor doce do açúcar, mas não possuem valor calórico. Apesar de não ativarem o sistema de recompensa da mesma forma que o açúcar, estudos sugerem que o uso prolongado de adoçantes pode dessensibilizar as papilas gustativas, levando ao aumento da ingestão de alimentos doces para compensar a diminuição da percepção do sabor.

Mel e a resposta glicêmica

O mel é um adoçante natural composto principalmente de frutose e glicose. A frutose é metabolizada pelo fígado, enquanto a glicose é absorvida pelo sangue. O consumo de mel causa um aumento na glicemia, porém, em menor grau do que o açúcar tradicional.

Genômica e suscetibilidade à diabetes

Estudos genômicos identificaram variantes genéticas que podem influenciar a suscetibilidade individual à diabetes tipo 2. Indivíduos com essas variantes podem ter uma resposta glicêmica mais acentuada ao consumo de açúcares, tornando-os mais propensos a desenvolver a doença.

A escolha entre adoçantes e mel para evitar diabetes deve levar em consideração diversos fatores, como a resposta individual ao consumo de cada substância, histórico familiar de diabetes e estilo de vida.

Para indivíduos com alto risco de diabetes, o ideal é reduzir o consumo de qualquer tipo de adoçante, incluindo mel, e optar por alternativas naturais como frutas frescas e especiarias.

A adoção de uma dieta saudável e a prática regular de atividade física são medidas essenciais para prevenir o desenvolvimento de diabetes tipo 2, independentemente da escolha do adoçante.

Riscos e benefícios do mel e adoçantes em relação ao câncer:

Mel:

Riscos:

  • Câncer de estômago: Estudos sugerem que o consumo frequente de mel pode estar associado a um risco aumentado de câncer de estômago, especialmente em indivíduos com predisposição genética.
  • Contaminação por esporos de botulismo: O mel pode conter esporos de botulismo, que podem ser perigosos para bebês menores de 1 ano.

Benefícios:

  • Antioxidantes: O mel é rico em antioxidantes, que podem ajudar a proteger as células contra danos que podem levar ao câncer.
  • Propriedades anti-inflamatórias: O mel possui propriedades anti-inflamatórias que podem ajudar a reduzir o risco de alguns tipos de câncer.

Adoçantes artificiais:

Riscos:

  • Câncer de bexiga: Alguns estudos associaram o consumo de adoçantes artificiais, como a sacarina, a um risco aumentado de câncer de bexiga.
  • Alterações na microbiota intestinal: Adoçantes artificiais podem alterar a microbiota intestinal, o que pode contribuir para o desenvolvimento de doenças como diabetes e obesidade, que por sua vez aumentam o risco de alguns tipos de câncer.

Benefícios:

  • Não contêm calorias: Adoçantes artificiais não contêm calorias, o que pode ser útil para pessoas que desejam perder peso ou controlar o consumo de açúcar.
  • Não causam cáries: Adoçantes artificiais não causam cáries, o que pode ser benéfico para a saúde bucal.

A escolha entre mel e adoçantes deve ser individualizada e levar em consideração diversos fatores, como histórico de saúde, estilo de vida e preferências pessoais. É importante ressaltar que o consumo moderado de qualquer tipo de adoçante é essencial para evitar os riscos potenciais à saúde.

CPAH – Centro de Pesquisa e Análises Heráclito

O CPAH, que significa Centro de Pesquisa e Análises Heráclito, é uma instituição dedicada à excelência em pesquisas, laboratório avançado, formação de pesquisadores, publicação de revista científica, recolocação profissional, registro de método, capacitação profissional e oferta de cursos especializados.

Destacamo-nos como os criadores do inovador projeto GIP – Genetic Intelligence Project, pioneiro na elaboração do primeiro relatório de inteligência por meio de testes genéticos, proporcionando uma estimativa precisa do QI humano.

Convidamos você a explorar mais sobre nossas atividades e conquistas em www.cpah.eu. Estamos comprometidos em impulsionar a pesquisa, inovação e desenvolvimento profissional, contribuindo para o avanço da ciência e da inteligência humana.

Alguns destaques

Deixe um comentário

quatro + dez =

Translate »