Início Produções CientíficasModelo Científico Procrastinação em pessoas de Alto QI

Procrastinação em pessoas de Alto QI

A procrastinação é o hábito de adiar ou evitar a realização de tarefas importantes, muitas vezes optando por atividades menos urgentes ou até mesmo irrelevantes no momento.

por Redação CPAH

Pesquisador(a): 

Dr. Fabiano de Abreu – O Dr. Fabiano de Abreu Agrela Rodrigues, é um Pós-doutor e PhD em neurociências eleito membro da Sigma Xi, The Scientific Research Honor Society e Membro da Society for Neuroscience (USA) e da APA – American Philosophical Association, Mestre em Psicologia, Licenciado em Biologia e História; também Tecnólogo em Antropologia e filosofia com várias formações nacionais e internacionais em Neurociências e Neuropsicologia. Pesquisador e especialista em Nutrigenética e Genômica. É diretor do Centro de Pesquisas e Análises Heráclito (CPAH), Cientista no Hospital Universitário Martin Dockweiler, Chefe do Departamento de Ciências e Tecnologia da Logos University International, Membro ativo da Redilat, membro-sócio da APBE – Associação Portuguesa de Biologia Evolutiva e da SPCE – Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação. Membro das sociedades de alto QI Mensa, Intertel, ISPE High IQ Society e Triple Nine Society. Autor de mais de 200 artigos científicos e 15 livros.

INTRODUÇÃO

A procrastinação é o hábito de adiar ou evitar a realização de tarefas importantes, muitas vezes optando por atividades menos urgentes ou até mesmo irrelevantes no momento. Esse tipo de comportamento é bastante comum, mas pode haver uma prevalência sua em um grupo específico da população: As pessoas com alto QI.

A tomada de decisões, como a escolha de qual atividade será priorizada, é feita no córtex pré-frontal. 

É comum que pessoas com Alto QI, em média entre 125 a 135, tenham tendência a iniciar diversos projetos, mas frequentemente desistem antes de concluí-los, devido ao gasto de energia cerebral e à necessidade constante de novas decisões. 

Como fruto desse processo e da disparidade entre a velocidade rápida da imaginação e a lentidão de “pôr em prática”, gera a procrastinação.

A procrastinação

A procrastinação é normalmente entendida pela ciência como uma tendência irracional a atrasar tarefas ou atribuições.

Acredita-se que seja uma falha na autorregulação, associada a diversos determinantes pessoais e situacionais. Algumas pesquisas sugerem que características da tarefa, facetas de personalidade e fatores ambientais são os principais impulsionadores da procrastinação. 

Alguns estudos já trazem correlações entre a procrastinação, a inteligência emocional e traços de personalidade, assim como impulsividade

Relação da procrastinação com Alto QI

A Alta Inteligência tem relação com um maior risco para o surgimento de transtornos de humor e ansiedade, assim como traços de TDAH – Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade – e traços do transtorno do espectro autista (TEA), o que pode influenciar oscilações de foco em determinados temas e atividades.

Há também uma ligação entre os pontos de QI do indivíduo e a sua capacidade de realizar tarefas no tempo adequado com a manutenção do foco. Pessoas com mais de 140 pontos de QI possuem maior capacidade de dar seguimento a projetos idealizados, o que se torna mais difícil de acontecer em pessoas com um QI entre 125 e 135, onde a imaginação é muito veloz, mas a habilidade de manter o foco durante a realização da ideia é reduzida.

Considerações Finais

Este estudo abordou vários aspectos relacionados à procrastinação em pessoas de alto QI, analisando fatores neurocientíficos, genéticos e psicológicos. A compreensão desses elementos nos ajuda a elucidar por que indivíduos com alto QI podem ter tendência à procrastinação. Identificamos que fatores como perfeccionismo desadaptativo, excesso de pensamentos, economia de energia cerebral, desmotivação, memórias negativas e ansiedade, todos interligados com variações genéticas específicas e funções cerebrais, contribuem para esse comportamento.

É crucial considerar não apenas o fenótipo, mas também os aspectos epigenéticos. Pessoas com alto QI e perfeccionismo adaptativo, por exemplo, podem sofrer menos com a procrastinação devido à sua abordagem mais ativa e corajosa na tomada de decisões. Isso sugere que a interação entre disposição genética e influências ambientais e comportamentais é complexa e multifacetada.

A relação entre genética, neurotransmissores como a dopamina, e regiões cerebrais como o córtex pré-frontal mostra uma ligação intrínseca entre a biologia do cérebro e os padrões de comportamento. Por exemplo, variações no gene COMT afetam a procrastinação ao influenciar a regulação emocional e a tomada de decisão.

Portanto, uma abordagem holística que considere todos esses fatores é essencial para entender plenamente a procrastinação em pessoas de alto QI. Esta compreensão pode levar ao desenvolvimento de estratégias mais eficazes para mitigar a procrastinação, aproveitando as capacidades únicas desses indivíduos e melhorando seu bem-estar geral. Além disso, as descobertas deste estudo ressaltam a importância de personalizar as abordagens terapêuticas e as estratégias de intervenção para se adaptarem às características individuais de cada pessoa.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

Ruth I. Karpinski, Audrey M. Kinase Kolb, Nicole A. Tetreault, Thomas B. Borowski, High intelligence: A risk factor for psychological and physiological overexcitabilities, Intelligence, Volume 66, 2018, Pages 8-23, ISSN 0160-2896, https://doi.org/10.1016/j.intell.2017.09.001.

INVESTIGATING the Cognitive Underpinnings of Procrastination: An Intervention Study and a Longitudinal Analysis Public Deposited. Scholar, [s. l.], 2016. Disponível em: https://scholar.colorado.edu/concern/graduate_thesis_or_dissertations/j67313970. Acesso em: 29 fev. 2024.

Yan B, Zhang X. What Research Has Been Conducted on Procrastination? Evidence From a Systematical Bibliometric Analysis. Front Psychol. 2022 Feb 2;13:809044. doi: 10.3389/fpsyg.2022.809044. PMID: 35185729; PMCID: PMC8847795.

RODRIGUES, F. de A. Relação entre a fadiga, dependência de dopamina com as disfunções neuronais. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 6, n. 11, p. 85183-85194, nov. 2020.

RUTH, I. K.; AUDREY, M. K. K.; NICOLE, A. T.; THOMAS, B. B. High intelligence: A risk factor for psychological and physiological overexcitabilities. Intelligence, v. 66, p. 8-23, 2018.

MARCORA, S. M.; STAIANO, W.; MANNING, V. Mental fatigue impairs physical performance in humans. Journal of Applied Physiology, v. 106, n. 3, p. 857-864, 2009.

DICK, D., et al. Association of CHRM2 with IQ: Converging Evidence for a Gene Influencing Intelligence. Behavior Genetics, v. 37, n. 2, p. 265-272, 2007.

Este resumo integra as informações do chat e formata o conteúdo conforme o modelo científico solicitado.

Alguns destaques

Deixe um comentário

quinze + vinte =

Translate »