Início ColunaNeurociências Redefinindo a superdotação como Neurodivergência Evolutiva

Redefinindo a superdotação como Neurodivergência Evolutiva

Essa redefinição visa enfatizar a superdotação como um aprimoramento, em vez de uma desviação ou disfunção.

por Dr. Fabiano de Abreu Agrela Rodrigues

O conceito de superdotação tem sido tradicionalmente associado a noções de altos QIs e habilidades cognitivas superiores, frequentemente simplificado e categorizado ao lado de proezas mentais e conquistas acadêmicas. No entanto, o estudo científico detalhado no artigo recentemente analisado sugere uma mudança de paradigma, propondo que a superdotação seja considerada não apenas como um conjunto de habilidades elevadas, mas como uma neurodivergência evolutiva. Essa redefinição visa enfatizar a superdotação como um aprimoramento, em vez de uma desviação ou disfunção.

A hipótese central do estudo postula que a superdotação, ao contrário de outras neurodivergências que podem envolver desafios substanciais, representa uma forma avançada de desenvolvimento neurológico caracterizada por aprimoramentos significativos nas capacidades cognitivas e emocionais. Essa afirmação é substanciada por revisões abrangentes da literatura focadas em evidências neurobiológicas e psicológicas. Os achados sugerem que os cérebros de indivíduos superdotados são distintos não apenas em função, mas em estrutura, exibindo conectividade e atividade aprimoradas em áreas responsáveis por funções executivas, controle emocional e resolução de problemas complexos.

As principais conclusões do estudo propõem que os indivíduos superdotados sejam percebidos sob a ótica da neurodivergência evolutiva. Esta perspectiva argumenta que tais avanços cognitivos e emocionais não são anomalias, mas adaptações evolutivas que permitiram aos indivíduos se destacarem em ambientes complexos e desafiadores. Essa visão está alinhada com teorias evolutivas que sugerem que traços que oferecem vantagens adaptativas—como maior capacidade de solução de problemas, criatividade e percepção emocional—tendem a ser favorecidos e propagados.

Além disso, o conceito de dupla excepcionalidade, onde a superdotação coexiste com outros transtornos do neurodesenvolvimento, ilustra a paisagem intrincada da neurodivergência. Essa coexistência pode enriquecer nossa compreensão e apreciação da diversidade neurológica, destacando a necessidade de estratégias educacionais e de suporte adaptadas que reconheçam e aproveitem os perfis únicos dos indivíduos superdotados.

Do ponto de vista educacional e social, reconhecer a superdotação como uma neurodivergência evolutiva pode influenciar significativamente como apoiamos e nutrimos indivíduos superdotados. Os sistemas educacionais precisariam se afastar da padronização, promovendo ambientes que estimulem a curiosidade, a criatividade e o pensamento crítico. A sociedade como um todo se beneficiaria ao reconhecer e valorizar as contribuições únicas que os indivíduos superdotados podem fazer em diversos campos, da ciência à arte, passando pela tecnologia e além.

Em conclusão, este estudo defende uma reconceitualização da superdotação como uma neurodivergência evolutiva, uma mudança que poderia desmantelar estereótipos predominantes e promover uma compreensão mais inclusiva das capacidades humanas. Essa abordagem não apenas desafia a visão tradicional orientada à patologia da neurodiversidade, mas também destaca o potencial embutido nas variações neurológicas, sugerindo que o que muitas vezes percebemos como divergente pode, de fato, ser altamente adaptativo. Tal mudança de paradigma pode ajudar a reduzir o estigma em torno da neurodivergência e pavimentar o caminho para abordagens mais eficazes, matizadas e respeitosas à diversidade dos espectros da inteligência e emoção humanas.

Referências

  • Coffman, B. A., Clark, V. P., & Parasuraman, R. (2014). Battery-powered thought: Enhancement of attention, learning, and memory in healthy adults using transcranial direct current stimulation. NeuroImage, 85, 895-908.
  • Collins, M., et al. (2004). The ACE gene and endurance performance. Sports Medicine, 34(7), 439-448.
  • Cruz, L. N. (2021). Neurobusiness e sua aplicação na gestão esportiva. Revista Cognitionis, 9(2), 175-190.
  • Cruz, L. N. (2023). Imagem e visualização para o crescimento global em performance do futebol. Fiep Bulletin, 93(1), 1-12.
  • DeCharms, R. C. (2008). Applications of real-time fMRI. Nature Reviews Neuroscience, 9(9), 720-729.
  • Erickson, K. I., Leckie, R. L., & Weinstein, A. M. (2011). Physical activity, fitness, and gray matter volume. Neurobiology of Aging, 32(7), 1304-1307.
  • Eynon, N., et al. (2013). Genes for elite power and sprint performance: ACTN3 leads the way. Sports Medicine, 43(9), 803-817.
  • Gazzaniga, M. S. (2018). The consciousness instinct: Unraveling the mystery of how the brain makes the mind. Farrar, Straus and Giroux.
  • Hammond, D. C. (2007). Neurofeedback for the enhancement of athletic performance and physical balance. Journal of the American Board of Sport Psychology, 1, 1-9.
  • Jensen, J. L., et al. (2017). Brain networks involved in anticipating tactile stimuli and their relation to a positive prediction error. NeuroImage, 148, 333-341.
  • Nakata, H., et al. (2010). Characteristics of motor preparation and execution in elite athletes. Journal of Sports Sciences, 28(2), 139-151.
  • Park, H. J., & Yeo, B. T. (2020). The impact of training on brain plasticity. Nature Reviews Neuroscience, 21(4), 232-244.
  • Reardon, S., & McManus, C. (2021). Enhancing athletic performance with brain stimulation. Trends in Neurosciences, 44(1), 22-32.
  • Rodrigues, F. A. (2022). Análise genética e sua aplicação no esporte. Revista Recisatec, 9(2), 175-190.
  • Yang, N., et al. (2003). ACTN3 genotype is associated with human elite athletic performance. American Journal of Human Genetics, 73(3), 627-631.

Alguns destaques

Deixe um comentário

dezessete + 4 =

Translate »