Início ColunaNeurociências Oscilação emocional em superdotados: Uma fadiga mental gerada pela insistência social

Oscilação emocional em superdotados: Uma fadiga mental gerada pela insistência social

Este artigo tem como objetivo desvendar as oscilações emocionais e a fadiga mental frequentemente presentes em pessoas de alto QI, explorando suas raízes científicas e buscando soluções para um ambiente mais inclusivo.

por Dr. Fabiano de Abreu Agrela Rodrigues

Em um mundo que celebra o alto QI como uma dádiva, raramente se pondera sobre os desafios emocionais que acompanham essa inteligência excepcional. Este artigo tem como objetivo desvendar as oscilações emocionais e a fadiga mental frequentemente presentes em pessoas de alto QI, explorando suas raízes científicas e buscando soluções para um ambiente mais inclusivo.

Descompasso entre Mente e Expectativa:

O Dr. Fabiano de Abreu Agrela, neurocientista superdotado especialista em inteligência, propõe uma visão inovadora sobre esse tema. Segundo suas pesquisas, as oscilações emocionais em indivíduos com alto QI podem ser resultado de um descompasso entre suas mentes excepcionais e o ritmo socialmente imposto pelo ambiente.

Analogia do Arsenal:

Para ilustrar essa desconexão, o Dr. Agrela utiliza a analogia de um arsenal de armas entregue a soldados despreparados para utilizá-las eficazmente. Essa metáfora reflete a frustração e fadiga mental que surgem quando a capacidade intelectual não encontra terreno fértil para se aplicar de forma produtiva.

Evidências Científicas:

Estudos comprovam que altos níveis de estresse emocional elevam a produção de cortisol, o hormônio do estresse, enquanto a falta de motivação diminui a liberação de dopamina, neurotransmissor associado ao prazer e à recompensa. Essa disfunção neuroquímica contribui para o ciclo vicioso de exaustão emocional e mental em pessoas de alto QI.

Fatores Externos:

A falta de retorno sobre as oportunidades oferecidas, a constante demanda por desafios intelectuais e a pressão social para se conformar com expectativas irreais intensificam essa espiral descendente.

Solução: Conscientização e Apoio:

O primeiro passo para superar esses desafios é a conscientização sobre as necessidades específicas de indivíduos com alto QI. É fundamental que a sociedade reconheça e apoie suas necessidades emocionais e mentais, criando um ambiente que valorize a expressão criativa e o desenvolvimento pessoal em seu próprio ritmo.

As oscilações emocionais em pessoas de alto QI são um problema real e complexo que requer atenção e compreensão. Ao reconhecer e abordar esses desafios, podemos construir um ambiente mais acolhedor e inclusivo para todos, independentemente do seu nível de inteligência.

Referências:

  • Mönks, F. J., & Heller, K. A. (2017). Twice exceptional: Gifted students with learning disabilities or ADHD. Journal of Advanced Academics, 28(4), 347-367.
  • Pfeiffer, S. I. (2015). Social and emotional challenges of gifted children. Gifted Child Today, 38(2), 106-112.
  • Haier, R. J., Jung, R. E., Yeo, R. A., Head, K., & Alkire, M. T. (2009). The neuroanatomy of general intelligence: Sex matters. Nature Neuroscience, 12(1), 42-44.

CPAH – Centro de Pesquisa e Análises Heráclito

O CPAH, que significa Centro de Pesquisa e Análises Heráclito, é uma instituição dedicada à excelência em pesquisas, laboratório avançado, formação de pesquisadores, publicação de revista científica, recolocação profissional, registro de método, capacitação profissional e oferta de cursos especializados.

Destacamo-nos como os criadores do inovador projeto GIP – Genetic Intelligence Project, pioneiro na elaboração do primeiro relatório de inteligência por meio de testes genéticos, proporcionando uma estimativa precisa do QI humano.

Convidamos você a explorar mais sobre nossas atividades e conquistas em www.cpah.eu. Estamos comprometidos em impulsionar a pesquisa, inovação e desenvolvimento profissional, contribuindo para o avanço da ciência e da inteligência humana.

Alguns destaques

Deixe um comentário

1 × quatro =

Translate »