Início Opinião IA encontra genes que moldam a personalidade

IA encontra genes que moldam a personalidade

por Nicoli Ribeiro Martinazzo
Créditos: FreePik

Nossas personalidades podem influenciar significativamente a expressão genética, fornecendo novos insights sobre a conexão mente-corpo. Usando dados do Young Finns Study de longo prazo, os pesquisadores descobriram uma rede de 4.000 genes que adaptam sua expressão com base nos traços de personalidade dos indivíduos, impactando a saúde e o bem-estar.

O estudo identificou duas descobertas cruciais: uma rede genética modular expressa em regiões específicas do cérebro relacionadas com a herança da personalidade humana e um centro de controlo de seis genes evolutivamente preservados que coordenam o processamento emocional e significativo. Estas descobertas inovadoras sugerem que a promoção de uma visão criativa e autotranscendente da vida pode melhorar o bem-estar e a saúde, regulando a expressão genética.

Principais fatos:

Os traços de personalidade influenciam a expressão de uma rede de 4.000 genes, destacando a profunda interligação entre o nosso estado mental e o funcionamento biológico.

Um centro de controlo de seis genes, preservados ao longo da evolução, desempenha um papel central na regulação das emoções e do significado, sublinhando o potencial da autoconsciência na melhoria da saúde.

O estudo sugere que a adoção de uma perspectiva criativa e autotranscendente da vida pode impactar positivamente a expressão genética, oferecendo um novo caminho para melhorar o bem-estar e a longevidade.

Um estudo internacional liderado pela UGR utilizando inteligência artificial mostrou que as nossas personalidades alteram a expressão dos nossos genes. As descobertas lançam uma nova luz sobre o mistério de longa data de como a mente e o corpo interagem.

O estudo, publicado na revista Molecular Psychiatry, examina como a personalidade de um indivíduo e a perspectiva subjacente sobre a vida regulam a sua expressão genética e, assim, afectam a sua saúde e bem-estar. É o primeiro estudo a medir a transcrição de todo o genoma em relação à personalidade humana.

Os pesquisadores lideraram o estudo multi e interdisciplinar do Instituto Interuniversitário de Pesquisa da Andaluzia em Ciência de Dados e Inteligência Computacional (DaSCI), do Departamento de Ciência da Computação e Inteligência Artificial da UGR e do Instituto de Pesquisa em Biossaúde de Granada (ibs. GRANADA).

Foi realizado em colaboração com o professor Robert Cloninger (Universidade de Washington em St. Louis), pesquisadores do Baylor College of Medicine (Texas, EUA) e do Young Finns Study (Finlândia).

A equipa de investigação internacional (composta por especialistas em genética, medicina, psicologia e ciência da computação) utilizou dados do Young Finns Study, um extenso estudo realizado na população geral da Finlândia ao longo de quatro décadas, durante o qual foram recolhidas informações relevantes sobre os participantes. saúde, condição física e estilo de vida.

Além disso, os participantes foram submetidos a extensas avaliações de personalidade que abordaram tanto o temperamento (hábitos e reatividade emocional) quanto o caráter (objetivos e valores conscientes). Os resultados mostraram que certas perspectivas de vida conduzem a uma vida saudável, plena e longa, enquanto outras levam a uma vida estressante, pouco saudável e curta.

O estudo analisou a regulação da expressão genética nesses indivíduos, levando em consideração três níveis de autoconsciência que foram medidos por meio de seus perfis combinados de temperamento e caráter.

Estes níveis foram designados como “não regulamentados” – indivíduos dominados por emoções e hábitos irracionais associados às suas tradições e obediência à autoridade; “organizados” – indivíduos autossuficientes, capazes de regular intencionalmente os seus hábitos e cooperar com outros para benefício mútuo; e, por último, “criativos” – indivíduos autotranscendentes que adaptam os seus hábitos para viver em harmonia com os outros, com a natureza ou com o universo, mesmo que isso exija sacrifícios pessoais ocasionais.

Duas descobertas principais

Como explica Coral del Val, pesquisador da UGR e co-autor principal do estudo: “Em nossa pesquisa, fizemos duas descobertas importantes sobre a expressão e organização dos genes de acordo com os perfis de personalidade desses indivíduos.

Primeiro, descobrimos uma rede de 4.000 genes agrupados em múltiplos módulos expressos em regiões específicas do cérebro. Alguns destes genes já tinham sido associados em estudos anteriores à herança da personalidade humana.”

“Em segundo lugar, descobrimos que os módulos formavam uma rede de interação funcional capaz de orquestrar mudanças na expressão genética para se adaptarem a diversas condições internas e externas. Os módulos foram ligados e desligados de forma flexível, facilitando a adaptação aos desafios do dia a dia que todos enfrentamos e coreografando o nosso desenvolvimento”.

Os pesquisadores mostraram que as duas sub-redes orquestraram as mudanças nos padrões de interação entre esses módulos. Os padrões de interações entre esses módulos foram orquestrados por duas sub-redes.

Uma rede regulou a reatividade emocional (ansiedade, medo, etc.), enquanto a outra regulou o que uma pessoa percebe como significativo (por exemplo, produção de conceitos e linguagem).

“O que há de mais notável é o fato de que as redes de emoção e significado são coordenadas por um centro de controle composto por seis genes”, observa Elisa Díaz de la Guardia-Bolívar, outra co-autora principal do estudo.

“É particularmente interessante descobrirmos que os seis genes do centro de controle são altamente preservados ao longo da evolução, desde organismos unicelulares até humanos modernos. Esta descoberta confirma o seu papel benéfico na regulação do funcionamento de todas as formas de vida na Terra”, acrescenta.

A identificação destas redes genéticas e do centro de controlo que regula a expressão genética nos seres humanos tem valor prático porque mostra como as pessoas podem melhorar a qualidade da sua saúde, felicidade e qualidade geral da vida quotidiana, apesar dos desafios e tensões que todos enfrentamos.

Igor Zwir, da UGR, explica: “Em pesquisas anteriores, encontramos diferenças significativas no bem-estar entre pessoas nos três grupos de personalidade, dependendo do seu nível de autoconsciência. Especificamente, aqueles com maior autoconsciência (o grupo criativo) relataram maior bem-estar em comparação com os grupos organizados e não regulamentados.”

“Mostramos agora que esses níveis de autoconsciência também estão fortemente associados à regulação da expressão genética na mesma ordem (criativo > organizado > não regulamentado). Isto sugere que uma pessoa pode melhorar a sua saúde e bem-estar cultivando uma visão mais autotranscendente e criativa da vida.”

No entanto, adverte que ainda não foi confirmado se a regulação da expressão genética através de intervenções que aumentem a autoconsciência é o fator mediador na associação entre autoconsciência e bem-estar.

No entanto, também foi demonstrado que os tratamentos que promovem uma maior autotranscendência e atenção plena contribuem para melhorias em todos os aspectos da saúde, incluindo o bem-estar físico, mental, social e espiritual. É, portanto, plausível que a regulação da expressão genética seja o verdadeiro mediador nesta associação.

Como os pesquisadores previram, certos tipos de genes, como fatores de transcrição, microRNAs e longos RNAs não codificantes, mostraram extenso enriquecimento na rede molecular integrada de 4.000 genes. No entanto, o enriquecimento mais significativo foi observado num grupo de RNAs que se pensa terem desempenhado um papel crucial na origem da vida celular.

Esses RNAs têm a capacidade de formar compartimentos sem membrana e realizar reações químicas, permitindo-lhes adaptar-se rapidamente ao estresse. Este processo, conhecido como separação de fases líquido-líquido (LLPS), cria um biorreator abrangente no qual os produtos químicos essenciais à vida podem ser sintetizados.

“Estamos muito satisfeitos em descobrir os papéis importantes dos diferentes tipos de genes na saúde e na personalidade. É incrível ver que a evolução preservou genes que se pensa terem sido importantes na origem da vida, permitindo a crescente plasticidade, complexidade e consciência que observamos nos humanos.”

“Os métodos computacionais inovadores utilizados neste projeto permitem-nos estudar sistemas biológicos complexos em humanos de uma forma ética, não intrusiva e benéfica, com o objetivo de compreender como viver de forma saudável”, afirma o professor Cloninger.

Ele acrescenta: “Essas descobertas demonstram claramente que a mente e o corpo de uma pessoa estão profundamente interligados. Um influencia o outro, por isso não estão separados. É importante reconhecer que as nossas condições passadas ou presentes não determinam inteiramente o nosso bem-estar futuro; em vez disso, podemos cultivar o nosso próprio bem-estar num processo criativo cheio de possibilidades abertas.”

Fonte: Universidade de Granada

Alguns destaques

Deixe um comentário

15 − 8 =

Translate »