Início ColunaNeurociências Efeitos de sensação térmica de 60 Graus no cérebro: Consequências e riscos neurológicos

Efeitos de sensação térmica de 60 Graus no cérebro: Consequências e riscos neurológicos

Exposição a ambientes com temperatura elevada, como aqueles com sensação térmica de 60 graus, pode levar a diversos efeitos no corpo humano, incluindo o cérebro.

por Dr. Fabiano de Abreu Agrela Rodrigues

Introdução:

Exposição a ambientes com temperatura elevada, como aqueles com sensação térmica de 60 graus, pode levar a diversos efeitos no corpo humano, incluindo o cérebro. Este texto científico abordará as regiões e sub-regiões cerebrais, genes e neurotransmissores envolvidos na resposta a essa temperatura extrema, bem como as consequências e riscos neurológicos temporários e permanentes.

Regiões e sub-regiões cerebrais:

  • Hipotálamo: Responsável pela regulação da temperatura corporal, incluindo a ativação de mecanismos de resfriamento como sudorese e vasodilatação.
  • Amígdala: Envolvida na percepção de estresse e na resposta emocional ao calor extremo.
  • Córtex insular: Processa informações sensoriais relacionadas à temperatura, incluindo a sensação de dor.
  • Tronco cerebral: Controla funções vitais como respiração e frequência cardíaca, que podem ser afetadas pelo calor excessivo.

Genes e neurotransmissores:

  • Gene HSPA1A: Codifica a proteína HSP70, que protege as células do estresse térmico.
  • Gene HSPB1: Codifica a proteína HSP27, que também protege as células do estresse térmico.
  • Neurotransmissor dopamina: Envolvido na regulação da temperatura corporal e na sensação de recompensa.
  • Neurotransmissor serotonina: Envolvida na regulação do humor e do sono, que podem ser afetados pelo calor excessivo.

Consequências e riscos neurológicos temporários:

  • Hipertermia: Aumento da temperatura corporal, podendo levar a tontura, náusea, desidratação e fadiga.
  • Insolação: Caso grave de hipertermia que pode causar confusão, convulsões e até mesmo morte.
  • Dor de cabeça: Causada pela vasodilatação e aumento da pressão intracraniana.
  • Alterações cognitivas: Dificuldade de concentração, memória e tomada de decisão.

Consequências e riscos neurológicos permanentes:

  • Dano cerebral: Em casos graves de hipertermia, pode ocorrer dano cerebral permanente, com sequelas como hemiplegia, afasia e problemas de memória.
  • Doenças neurodegenerativas: Exposição prolongada ao calor excessivo pode aumentar o risco de doenças neurodegenerativas como Alzheimer e Parkinson.

Prevenção:

  • Evitar a exposição prolongada ao calor excessivo: Hidratar-se frequentemente, usar roupas leves e frescas, buscar sombra e ventilação.
  • Utilizar medidas de proteção: Usar protetor solar, boné e óculos escuros.
  • Estar atento aos sinais de alerta: Tontura, náusea, desidratação e fadiga.
  • Procurar atendimento médico em caso de sintomas graves: Hipertermia, insolação, convulsões ou alterações cognitivas.

Conclusão:

A exposição a ambientes com sensação térmica de 60 graus pode levar a diversos efeitos no cérebro, incluindo consequências e riscos neurológicos temporários e permanentes. É importante tomar medidas de precaução para evitar a exposição excessiva ao calor e procurar atendimento médico em caso de sintomas graves.

Alguns destaques

Deixe um comentário

14 − dez =

Translate »