Início ColunaNeurociências Autismo e TDAH: Uma comorbidade complexa e multifacetada

Autismo e TDAH: Uma comorbidade complexa e multifacetada

Essa comorbidade apresenta desafios singulares para o diagnóstico, tratamento e compreensão do funcionamento individual.

por Dr. Fabiano de Abreu Agrela Rodrigues

Introdução

O autismo e o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) são transtornos neurodesenvolvimentais distintos que frequentemente coexistem. Essa comorbidade apresenta desafios singulares para o diagnóstico, tratamento e compreensão do funcionamento individual. Este artigo oferece uma visão abrangente da relação entre autismo e TDAH, explorando seus aspectos neurobiológicos, comportamentais e diagnósticos.

Neurobiologia da Comorbidade

Regiões cerebrais:

Estudos de neuroimagem identificaram áreas cerebrais com funções distintas que se apresentam alteradas em ambos os transtornos, incluindo:

  • Córtex pré-frontal: Envolvido na atenção, planejamento e tomada de decisão, áreas frequentemente comprometidas no TDAH.
  • Córtex temporal: Essencial para processamento de linguagem e habilidades sociais, frequentemente deficitário no autismo.
  • Cerebelo: Importante para coordenação motora e funções executivas, com alterações observadas em ambos os transtornos.

Neurotransmissores:

Desequilíbrios em diversos neurotransmissores impactam os sintomas do autismo e TDAH, como:

  • Dopamina: Níveis baixos estão associados à desatenção e impulsividade no TDAH e podem influenciar comportamentos repetitivos no autismo.
  • Serotonina: Regula o humor e a impulsividade, com níveis baixos associados a ambos os transtornos.
  • Noradrenalina: Importante para a atenção e o foco, níveis baixos podem contribuir para a desatenção no TDAH.

Genética:

Estudos genéticos identificaram genes que aumentam o risco de desenvolver tanto o autismo quanto o TDAH, sugerindo uma base genética compartilhada.

Comportamentos Associados à Comorbidade

Sintomas comuns:

  • Dificuldade de atenção e foco.
  • Hiperatividade e impulsividade.
  • Dificuldades de comunicação e interação social.
  • Comportamentos repetitivos e interesses restritos.
  • Dificuldades de aprendizagem.
  • Sensibilidade sensorial.

Comportamentos menos comentados:

  • Agressividade e autoagressividade.
  • Dificuldades de sono.
  • Problemas de regulação emocional.
  • Baixa autoestima.
  • Dificuldades na motricidade fina e grossa.

Identificação e Diagnóstico

A identificação da comorbidade autismo-TDAH exige uma avaliação abrangente por profissionais experientes, incluindo:

  • Psiquiatra.
  • Psicólogo.
  • Neurologista.
  • Terapeuta ocupacional.
  • Fonoaudiólogo.

O diagnóstico deve considerar os critérios diagnósticos para ambos os transtornos, avaliando a história de desenvolvimento, os sintomas presentes e o impacto na vida da criança.

Tratamento

O tratamento da comorbidade autismo-TDAH é individualizado e multidisciplinar, podendo incluir:

  • Terapia ABA.
  • Terapia ocupacional.
  • Fonoaudiologia.
  • Fisioterapia.
  • Medicação.
  • Intervenções psicossociais para pais e familiares.

Conclusão

A comorbidade autismo-TDAH representa um desafio complexo, mas com o diagnóstico e tratamento adequados, as crianças podem desenvolver todo o seu potencial. A compreensão das bases neurobiológicas e comportamentais dessa comorbidade é fundamental para o desenvolvimento de intervenções eficazes e para melhorar a qualidade de vida das pessoas afetadas.

Referências

Observações:

  • Este artigo oferece uma visão geral da comorbidade autismo-TDAH. Para informações mais específicas e individualizadas, consulte um profissional qualificado.
  • A lista de comportamentos não é exaustiva e outros sintomas podem estar presentes.
  • É importante buscar acompanhamento profissional para um diagnóstico preciso e tratamento adequado.

Alguns destaques

Deixe um comentário

5 × 5 =

Translate »