Início ColunaGenética Descoberta revolucionária: Inflamação cerebral e danos no DNA cruciais para memórias de longo prazo

Descoberta revolucionária: Inflamação cerebral e danos no DNA cruciais para memórias de longo prazo

Este achado, que desafia crenças anteriores sobre os efeitos negativos da inflamação, revela um papel inesperado da inflamação cerebral na formação da memória.

por Redação CPAH

Cientistas da Faculdade de Medicina Albert Einstein acabam de anunciar uma descoberta surpreendente na revista *Nature*: danos no DNA e inflamação cerebral são, na verdade, componentes essenciais para a formação de memórias de longo prazo. Este achado, que desafia crenças anteriores sobre os efeitos negativos da inflamação, revela um papel inesperado da inflamação cerebral na formação da memória.

O que foi descoberto?

De acordo com os pesquisadores liderados pela Dra. Jelena Radulovic, a inflamação em neurônios específicos do hipocampo não é apenas benéfica, mas necessária para a criação de memórias duradouras. O estudo descobriu que danos e reparos no DNA dos neurônios são um ciclo vital para formar “conjuntos de memória” que armazenam nossas experiências.

Inovação no entendimento da memória

Ao contrário das suposições anteriores, que vinculavam inflamação a doenças neurológicas, os resultados destacam a importância da via inflamatória TLR9 ativada após danos no DNA dos neurônios do hipocampo. A Dra. Radulovic explica: “Nossos achados sugerem que a inflamação em certos neurônios do hipocampo é crucial para criar memórias duradouras.”

Cuidado com inibições indiscriminadas

Uma implicação vital deste estudo é a necessidade de cautela ao inibir a via TLR9. Embora existam potenciais benefícios terapêuticos, a inibição total dessa via pode representar riscos significativos, incluindo instabilidade genômica, que está associada ao envelhecimento acelerado e a várias doenças.

Comentários do especialista

O Dr. Fabiano de Abreu Agrela, Pós PhD em Neurociências e diretor do projeto Neurogenomic, comentou a descoberta: “Este estudo é um marco na neurociência. Ele não apenas reconfigura nosso entendimento sobre a inflamação cerebral, mas também abre novas perspectivas para o tratamento de doenças neurológicas. No entanto, é crucial que avancemos com cautela, dada a complexidade e a importância desses processos no cérebro.”

Impacto futuro

Esta pesquisa revoluciona nossa compreensão da memória e da neurologia, sugerindo que processos antes vistos como prejudiciais podem ter funções vitais e benéficas. Com essa nova perspectiva, a abordagem para tratar distúrbios neurológicos e desenvolver medicamentos pode mudar significativamente nos próximos anos.

Fonte e colaborações

O estudo foi realizado pela Faculdade de Medicina Albert Einstein e incluiu colaborações de diversas instituições de renome mundial.

Alguns destaques

Deixe um comentário

um × dois =

Translate »