Início ColunaNeurociências Escarlatina: Uma doença contagiosa com riscos para todas as idades

Escarlatina: Uma doença contagiosa com riscos para todas as idades

Embora geralmente associada à infância, a escarlatina também pode afetar adultos.

por Redação CPAH

A escarlatina, também conhecida como febre escarlate, é uma doença bacteriana contagiosa que causa dor de garganta, febre e uma erupção cutânea característica. Embora geralmente associada à infância, a escarlatina também pode afetar adultos.

Agente causador e transmissão:

A escarlatina é causada pela bactéria Streptococcus pyogenes, a mesma que causa amigdalite estreptocócica. A bactéria se espalha através de gotículas respiratórias expelidas ao falar, tossir ou espirrar. O contato com objetos contaminados, como utensílios ou superfícies, também pode transmitir a doença.

Sintomas:

  • Febre alta: Acima de 38°C, podendo durar até 7 dias.
  • Dor de garganta intensa: Pode ser acompanhada de vermelhidão e inchaço nas amígdalas.
  • Erupção cutânea: Vermelha e fina, com textura semelhante à lixa, surge 1 a 2 dias após a febre, geralmente no tronco e se espalhando pelo corpo.
  • Língua branca: Inicialmente branca e espessa, descama alguns dias depois, revelando uma língua vermelha e estriada (“língua de morango”).
  • Outros sintomas: Dor de cabeça, náuseas, vômitos, dor abdominal e calafrios.

Riscos e complicações:

Embora geralmente seja uma doença leve, a escarlatina pode apresentar complicações se não tratada adequadamente. As mais graves incluem:

  • Febre reumática: Uma doença inflamatória que afeta as articulações, coração, sistema nervoso e outros órgãos.
  • Glomerulonefrite: Uma inflamação dos rins que pode levar à insuficiência renal.
  • Infecções graves: Como pneumonia, otite média ou mastoidite.

Prevenção:

  • Lavar as mãos frequentemente: Use água e sabão por pelo menos 20 segundos, especialmente após tossir, espirrar ou usar o banheiro.
  • Evitar contato com pessoas doentes: Mantenha distância de quem apresenta os sintomas da escarlatina.
  • Cobrir a boca e o nariz ao tossir ou espirrar: Use um lenço descartável ou o antebraço.
  • Manter objetos pessoais higienizados: Evite compartilhar utensílios, toalhas ou outros objetos pessoais com pessoas doentes.
  • Vacinação: A vacina contra o tétano-difteria (Tdap) protege contra a difteria, que é uma doença causada pela mesma bactéria que causa a escarlatina, embora a vacina não seja específica para a escarlatina em si.

Tratamento:

O tratamento da escarlatina consiste no uso de antibióticos, geralmente penicilina ou amoxicilina, por 10 dias. É crucial completar todo o tratamento, mesmo que os sintomas melhorem antes do fim, para evitar o risco de complicações.

Repouso, hidratação e medicação para aliviar os sintomas, como paracetamol ou ibuprofeno, também são importantes.

Em caso de dúvidas ou se os sintomas piorarem, procure um médico imediatamente.

Lembre-se:

  • A escarlatina é uma doença contagiosa, mas geralmente leve quando tratada adequadamente.
  • A prevenção é fundamental para evitar o contágio e suas complicações.
  • O tratamento com antibióticos é essencial para eliminar a bactéria e prevenir o risco de problemas mais graves.
  • Consulte um médico se você ou alguém que você conhece apresentar os sintomas da escarlatina.

Informações adicionais:

  • A escarlatina é mais comum em crianças entre 5 e 15 anos, mas pode afetar pessoas de qualquer idade.
  • O período de incubação da doença é de 2 a 5 dias.
  • As pessoas com escarlatina são contagiosas até 24 horas após o início do tratamento com antibióticos.
  • É importante notificar a escola ou creche em caso de diagnóstico de escarlatina para evitar o contágio de outras crianças.

Alguns destaques

Deixe um comentário

três × 5 =

Translate »