Início Notícias Transtorno Depressivo Persistente: Como o distúrbio afeta as células imunes

Transtorno Depressivo Persistente: Como o distúrbio afeta as células imunes

por Fabiano de Abreu Rodrigues

O TDP pode gerar sintomas depressivos por décadas, mas estudos recentes apontam efeitos negativos também nas células imunes do corpo.

O TDP – Transtorno Depressivo Persistente – também conhecido como Distimia, é uma doença, caracterizada por uma depressão constante que varia de leve a moderada, humor triste e sintomas depressivos, apesar de ser considerada mais leve que a depressão (Transtorno Depressivo Maior – TDM) pode ser uma porta de entrada para o distúrbio.

Sua principal característica é a duração dos sintomas, que podem durar décadas. Normalmente consiste em sintomas depressivos que duram mais de 2 anos em adultos e, pelo menos, um ano em crianças e adolescentes, os efeitos já conhecidos como introversão e melancolismo podem ser acompanhados de efeitos negativos nas células imunes no organismo.

É o que defende o PhD neurocientista, biólogo e autor do artigo “Neuroanatomia em pacientes com transtorno depressivo persistente e as alterações das células imunes”, publicado pela Revista Multidisciplinar de Ciência Latina, Dr. Fabiano de Abreu Agrela.

“No campo da neurociência, tem vindo a ser questionadas as alterações que os transtornos depressivos podem causar nas células imunes.”

“Os estudos mais recentes neste campo têm demonstrado que as pessoas que sofreram de TDP, […] apresentam aumento da deformabilidade celular em monócitos e neutrófilos (grupo de células do sistema imunológico que tem a função de defender o organismo de corpos estranhos, como vírus e bactérias).” Afirma, no estudo.

O artigo também mostra os perigosos efeitos de transtornos depressivos nas células sanguíneas – glóbulos brancos e vermelhos – podendo afetar seu importante papel imunológico de impedir a entrada de microorganismos nos tecidos do corpo.

“Resultados sugerem   que   distúrbios   depressivos   estão   associados   a um   aumento   geral   na deformabilidade das células sanguíneas, […] os eritrócitos [glóbulos vermelhos] e os linfócitos [glóbulos brancos] foram mais deformáveis no transtorno depressivo persistente presente.”.

Os impactos do TDP no sistema imunológico acendem um alerta para os efeitos da depressão na imunidade do indivíduo, o que o torna mais vulnerável a demais enfermidades, por isso, o Dr. Fabiano de Abreu indica ainda em seu artigo alguns comportamentos que auxiliam na prevenção e controle do TDP.

  • Moderação no uso de álcool e drogas recreativas
  • Incluir lazer na rotina
  • Fazer atividades relaxantes
  • Se exercitar com frequência
  • Viajar

Alguns destaques

Deixe um comentário

error: Conteúdo protegido! NÃO É PERMITIDO COPIAR !!