Início Notícias Mortes por COVID “incrivelmente raras” entre crianças, diz estudo

Mortes por COVID “incrivelmente raras” entre crianças, diz estudo

por Redação CPAH

Uma análise abrangente de internações hospitalares e mortes relatadas em toda a Inglaterra sugere que a COVID-19 apresenta um risco menor de morrer ou requerer cuidados intensivos entre crianças e jovens do que se pensava anteriormente.

Em uma série de pré-impressões publicadas no medRxiv1–3, uma equipe de pesquisadores analisou todas as admissões hospitalares e mortes relatadas para pessoas com menos de 18 anos na Inglaterra. Eles descobriram que a COVID-19 causou 25 mortes nessa faixa etária entre março de 2020 e fevereiro de 2021.

Cerca de metade dessas mortes ocorreram em indivíduos com uma deficiência complexa subjacente com grandes necessidades de cuidados de saúde, como alimentação por sonda ou assistência respiratória.

Os estudos não avaliaram as taxas de doenças menos graves ou sintomas debilitantes de “COVID longo” que podem durar meses após a fase aguda da infecção ter passado. “O baixo índice de doenças agudas graves é uma notícia importante, mas isso não significa que o COVID não seja importante para as crianças”, disse o pediatra Danilo Buonsenso, do Hospital Universitário Gemelli, em Roma. “Por favor, vamos manter a atenção – tanto quanto possível – na imunização.”

Em um dos estudos, os pesquisadores buscaram relatos publicados do COVID-19 entre crianças e jovens e, por fim, analisaram dados de 57 estudos em 19 países. Em seguida, eles separaram os fatores de risco para doenças graves e morte a partir dos dados analisados.

Resultados do estudo

Algumas condições – incluindo obesidade e doenças cardíacas ou neurológicas – foram associadas a um maior risco de morte ou tratamento de terapia intensiva, revelaram os pesquisadores. Mas o aumento absoluto no risco foi muito pequeno, disse a autora do estudo Rachel Harwood, que faz parte da equipe de cirurgia pediátrica do Alder Hey Children’s Hospital em Liverpool, Reino Unido, em uma coletiva de imprensa.

Para as outras duas pré-impressões, os pesquisadores se concentraram na Inglaterra, com base em dados nacionais de saúde sobre admissões em terapia intensiva e mortes entre menores de 18 anos. A equipe descobriu que, das 6.338 internações hospitalares por COVID-19, 259 crianças e jovens necessitaram de tratamento em unidades de terapia intensiva pediátrica.

Crianças negras eram mais propensas do que as brancas a necessitar de cuidados intensivos, tanto para COVID-19 quanto para síndrome inflamatória multissistêmica pediátrica, uma síndrome rara associada à infecção por coronavírus. No entanto, de modo geral, a necessidade de tratamento intensivo era “incrivelmente rara” entre esses pacientes, diz o autor do estudo Joseph Ward, do Instituto de Saúde Infantil da University College London Great Ormond Street.

Das 3.105 mortes por todas as causas entre os 12 milhões de pessoas menores de 18 anos na Inglaterra infectadas entre março de 2020 e fevereiro de 2021, 25 foram atribuídas ao COVID-19. O equivalente a cerca de 2 para cada milhão de pessoas nessa faixa etária. Nenhum deles tinha asma ou diabetes tipo 1, observam os autores, e cerca da metade deles apresentava condições que os colocavam em maior risco do que crianças saudáveis ​​de morrer por qualquer causa.

Tomados em conjunto, os estudos incomumente abrangentes podem fornecer algum conforto aos pais que têm protegido crianças que eles pensaram que poderiam ser vulneráveis ​​a complicações graves de COVID-19. “Há um sentimento geral entre os pediatras de que provavelmente muitas crianças foram protegidas durante a primeira onda da pandemia”, disse Russell Viner, que estuda saúde de adolescentes na University College London, a repórteres.

Em alguns casos, esses esforços podem ter feito mais mal do que bem, acrescentou Elizabeth Whittaker, uma especialista em doenças infecciosas do Imperial College London. “Os escudos estão muito furados”, disse ela. “Os escudos não eram perfeitos e provavelmente causaram mais estresse e ansiedade para as famílias do que benefícios”.

O trabalho não aborda o espectro do COVID longo, mas outros estudos sugerem que ele ocorre em crianças – incluindo aquelas que tiveram sintomas iniciais leves ou eram assintomáticos – mas com menos frequência do que em adultos.

Apesar das taxas muito baixas de mortalidade e tratamento intensivo, Buonsenso espera que as escolas adotem medidas como máscaras e ventilação aprimorada, e que os pais se concentrem na imunização – para seus filhos, quando possível, ou para eles próprios.

“Quando os adultos são imunizados, menos crianças são infectadas”, diz ele. “Precisamos fazer o máximo possível para reduzir a infecção por COVID-19 em crianças”.

Fonte: Nature

Alguns destaques

Deixe um comentário

error: Conteúdo protegido! NÃO É PERMITIDO COPIAR !!